quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

DESEJO
















Força no olhar
do corpo em frágil aspecto
Que produz!
Seduz!
É luz depois da escuridão.

Vivendo em si,
seus Amores e dores
humanos e animais
- seu território sagrado.

Desejo
de cura
(Dê cura!)
Aqui dentro, implora:
Decora!
Dê-cor-a...

___________________________

Fernanda de Lima Almada
17 de dezembro de 2014
13:31h

domingo, 16 de novembro de 2014

CÁ-IR








Foi nesse tempo
- há pouco escuridão -
Há muito desejo de ir além da ilusão
Utopia
Maravilha
Encanto e mágica

Encontro em trágica página

Joguei à intensidade
da liberdade
do alívio
do descanso
e sem o gosto do oriente
fui em frente
de cabeça ao mundo de fantasias
Perdi fios e ganhei pontos [d]E Vida.

____________________________________
Fernanda Almada
Uberaba, 16 de novembro de 2014 - 19:59h

{Dois anos depois um "tombo bobo de bicicleta"... Dois anos depois de um traumatismo craniano... Dois anos depois de um "hematoma subdural agudo"... Dois anos depois de poder haver "dois anos depois"}.

domingo, 2 de novembro de 2014

Em Vão


















Fonte da Imagem: https://www.flickr.com/photos/jonashfurlan/5052284232/in/photostream/


Hoje receberam flores
que morreram para celebrar o remorso
- expressar cada parte do destroço
do coração de quem se empresta
e se presta com vivas aquarelas.

Ironia.
Não viram as cores primaveris
Do céu as gotas não comemoraram
nem os afetos agora tardios
regados a lágrimas que deixaram.

Os corpos não puderam se abraçar
Não houve o fitar dos olhos,
tampouco o cheiro, a voz...

Nós.
Nós de hipocrisia.
Nós em eterna errância.
Lamentando sobre cerâmicas frias
toda não construção de alegria.

Escárnio!
Não sentiram os Amores!
Não hoje.
Não mais.

E hoje quem sente?
Os das fotos nos murais?

Se de novo não falhar
só este que está.

______________________________________

Fernanda de Lima Almada
Uberaba/MG
02 de novembro de 2014
23:56h

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

ReEncontro


















Olho e admiro
até o espaço que posso alcançar
- horizonte a sentir.
Cada sussurro que consigo ouvir
SOU EU -
Esse todo que me envolve
é um emaranhado de mim.

O movimento que não desiste
- também a contragosto? Quem sabe?... -
É vida que insiste e impulsiona.
ContinuAR...
aMAR.

Ao mar.

Que sua melodia ensurdeça esse grito mudo
e sua brisa eleve o coração que flameja.
Que SEJA
o reflexo do brilho de Lua Cheia em poucas nuvens
iluminAÇÃO
que agora me alcança
me banha
me seca essas lágrimas
...como se não fosse a primeira vez.

__________________________________________

Fernanda de Lima Almada
07 de setembro de 2014
18:47h
Ubatuba/SP - Brasil -> Meu (re)encontro com o Mar.

sábado, 30 de agosto de 2014

EnFIM...




















Procuro pelas palavras 
que agora só de longe acenam

Minha miopia não enxerga e ressoa:
"Alcançar antes de cansar"

Corro, 
já fadigada,
contra o peso dos anos, 
- esses fartos enganos -
contra os ventos no espelho
contra a emoção que me falta.

Insisto:
"Ver-me!"
No reflexo:
"Verme"

Instinto...

Não me surpreende a distância
- repugnância -
desses olhos sem brilho de vida
anúncio de partida
do que já não volta
com o próximo crepúsculo vermelho
ou lábio vermelho
- em vão -
Esconderijo do não dito
Túmulo de dor e derrota
da coragem mais covarde
- Sem alarde -
de não escolher "viver ou morrer".

Existir.
Movimento limitado
fadado ao erro, insulto e desvalor.

Estagnar -
Colher sem plantar
o mesmo de ontem, hoje e amanhã
com esse corpo que não mais vê além
não imprime luz, cor e som,
deixou de ser palco dos sonhos, 
fantasias delirantes, liberdade...

Triste é assassinar a própria utopia
Personificar ausência de alegria.

____________________________________________

Fernanda de Lima Almada
30 de agosto de 2014
21:13h

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Sobre a vida [e não viver...]












Cheiros amargos e gostos em cor
por luzes estridentes,
sons ofuscantes,
compassos sem harmonia...

Com passos de desilusão.
Lógica? Estética em desrazão.
Sem leveza ou gratidão.
Sem paixão
mais um dia opaco.
É fragmento.
É caco.

Agonia no ar,
no sangue ainda pulsando
nas dores da voz
no ritmo dos músculos.
Vida em túmulo.

Abandonaram-me os prazeres...
ou eu os expulsei
ao desejar demais o impossível
das palavras
dos afetos
do corpo
de ser
do vivo-morto em mim que diz:

"Não há escolha:
- Colha
Dessa vida que não vale nada
e custa caro".
_____________________________________

Fernanda de Lima Almada
13 de agosto de 2014
12:27h


.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

AMARgo

















Preenche minha solidão
com o aroma em sequencia melódica
cada gota quente e forte
bailando na cadência da fumaça
que engraça qualquer dor ou desgraça
quando obedece meu sopro em fervor
dissipando essa dor do dia
com o brilho de estrelas foscas
em companhia da lua cheia de fendas
que entrega o ápice da dança
de meu tesouro sem prestígio...

Café, minha poesia líquida,
suas palavras em silêncio dizem
que é preciso beber a vida -
Amar e saborear com gosto -
antes que o tempo lhe tire o calor
e na xícara esquecida e inerte
repousem somente frio e amargor.
___________________________________

Fernanda de Lima Almada
Uberaba, 20 de junho de 2014
17:32h

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Es-curo















Pintaram minha esperança
e não pude escolher as cores
e esses respingos amargos
Carregaram os sorrisos de mel
o olhar azul do monte...

Brilho da criança
- a doce guardiã
dos sonhos de vidro
com cheiro de amanhã...

E a luz que sussurrava o caminho
definhou com o discurso
- mesquinho -
a palavra que não sai da garganta
e planta
no cerne nevrálgico 
a próxima e triste desordem...
do rio que corre trágico
mágico
ao fim da melodia desconcertante
mas que conforta
concernente
Sua última página 
livremente...
_________________________________

Fernanda de Lima Almada  
Uberaba, 18 de junho de 2014
19:46h


http://www.recantodasletras.com.br/autores/fernandaalmada

quarta-feira, 4 de junho de 2014

AMor teSe Cura



















Sete cordas não tocariam
a intensidade de se ser.
E sete dias não bastariam
o desejo de encontros e viver.

Sete noites não esconderiam
tantas estrelas quanto querer
de força entre nós
Palavras
A sós...
Nesse intervalo humano
sem cor ou expressão
das sete vidas do gato
não reduzindo a um fato
o que não se mede em partilha.

Concede a honra da companhia
tão vazia quanto o ventre
que recusa a ir além.
A quem?

E o vento leva sete anos
nas folhas de um outono frio
às margens rasas do rio
Onde miramos e entregamos...
Por um fio...

____________________________
Fernanda de Lima Almada
Uberaba, 04 de junho de 2014
16:38h


http://www.recantodasletras.com.br/autores/fernandaalmada

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Esquiva no ArreDOR














Partícula invisível toca o ser
e o outro
articula saber
- Encontro sublime -
Estar
entre palavras
olhar e sentir
o dito além do discurso
do curso
forte e infante.
Imersa no instante
sem escudo
escuto
o que poderia ser só silêncio.

_______________________________________

Fernanda de Lima Almada 
29 de maio de 2014
00:31


Imagem disponível em:
http://1.bp.blogspot.com/-hWls4Gmy2Fo/T2uW2oFVX6I/AAAAAAAAEIg/JZ7hNBLJfso/s320/Buddha3-3.JPG

terça-feira, 20 de maio de 2014

Que-da















(Imagem: Queda Livre, de Luana Santos.

Disponível em: http://penseforadacaixa.com/wp-content/uploads/2013/07/queda-livre.jpg )


Colo sôfrego -
um manto
um mantra
um canto...

Cala!

Questiona a dor no peito
Inflama o riso
Encerra
é o choro que implora:
- Há de abandonar o que nega
enquanto finge que não e o que vive
Cega.

O vento frio paraliza
O ideal não realiza
- Não enxerga a inocência...

E no vôo livre da lembrança
o cheiro triste do silêncio
d'um caminho sem esperança.

___________________________________________
Fernanda de Lima Almada
20 de maio de 2014
21:32h

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Não é Esse o Frio Que Aconchega

















O vento corta o rosto
Dilacera as mãos
- o descoberto.
Descobre o oculto
- o culto -
que esconde
- tentou mascarar -
com sorrisos de falsa esperança
o olhar ignorando a lembrança
e o ato.

Rosto de santa.
Percebe, sente, canta...
Atua
Ninguém vê.

Não se espanta.

Enche o peito de ar
- ardência.
Descobre-se imunda,
inundada de carência; Levanta.
Enrola-se com a mesma manta
de suportar o mesmo frio amanhã.

_____________________________

Fernanda de Lima Almada 
13 de maio de 2014
23:50h

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Distante













O rio’nde codifica
fica.
É fixa
memória imutável
antes de amanhã.

É tempo e imagem
distorção da lembrança
- o fio.
Depois de ontem
o frio.

Cores e texturas
perfumes e azar
Olhar...
Não imagina. Forja!
Foge.
Em segredo
implora.
Hoje é agora.

______________________________________
Fernanda de Lima Almada
25 de abril de 2014
23:49h

Uberaba/MG

sexta-feira, 14 de março de 2014

Hoje e Só!















Chora.
Ora.
É hora
Palavra é necessidade
Agora!

Palavra escrita.
Palavra dita é vazia
é pouco
Som oco.

Preciso da letra
da magia que compõe o símbolo
da cadência suave particular
interna
terna.

Cor que transforma noite em dia
O olhar vago que denuncia
o passar de mais e outras
horas sufocantes

Antes 
do giro derradeiro
Ponteiro que aponta
à ponta do espelho
o reflexo insatisfeito
Fei[t]o.


________________________________

Fernanda de Lima Almada
Uberaba/MG
14 de março de 2014
21:46h

segunda-feira, 3 de março de 2014

Su-ave






















 

Quero asas
frio na barriga
brisa no rosto
o acelerar do coração...

Redesenhar o passado
- cores livres e encantadas -
sem a solidão da estrada
- culpa da imperfeição

Amarra, autoexclusão...

E se me escapar esse temor
que não volte!
E ainda que eu lhe falte
enterro sua sorte!

Nesse duelo, estagnada.
Como ser forte?!
O corte!

- Fogo cruzado -
Amor e Morte.

_____________________________

Fernanda de Lima Almada 
03 de março de 2014
10:56h


___________

*
http://www.recantodasletras.com.br/autores/fernandaalmada